Traduza Essa Merda, Estrangeiro de Si.

Nesta noite que escrevo, sábado a noite, não tenho nada para escrever que lhe agrade os famintos olhos. Sim! Famintos olhos que procuram incessantemente pelo espelho do mundo, onde refletem apenas o próprio egoísmo, ainda incompreensível, de suas doenças internas.

Vá ao seu próprio espelho, único e, ainda disponível. Observe atentamente como tu és fraco e pequeno comparado ao espelho do mundo que tanto se compara. O sentimento de impotência e subpotência logo tomam conta do seu ser: como um mosquito que o ronda durante as noites de leve sono: tão frágil que um simples e leve vento lhe destrói.

Por quê então queres tantas coisas coisas? Sua vida não passa de uma contagem regressiva que, imperceptívelmente, transformará tudo o que é apenas em pó. Tu é pó, e nunca passará disso!

Portanto, volte para o lugar de onde viestes; de onde sua alma clama por penitência para a própria restauração. Abandone essa casca vazia, este vaso seco e rachado e implore por sua Vida.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s